dimanche 27 mai 2012

VARAL DO BRASIL EM BELO HORIZONTE



lundi 21 mai 2012

Redescobrindo Brumadinho, lançamento de livros dia 01 de junho



Redescobrindo Brumadinho



Quando os bandeirantes vieram a Minas Gerais e passaram pela região do Vale do Paraopeba, em busca de ouro e esmeraldas, não tiveram sucesso, porque ouro mesmo foi encontrado em Ouro Preto. Mas, pelo caminho aberto pela bandeira de Fernão Dias, vários povoados foram surgindo no percurso do Rio Paraopeba e seus afluentes, entre as serras da Conquistinha e Rola Moça, onde hoje se localiza o município de Brumadinho.

Entre os povoamentos que nasceram com a imigração aberta pelas Bandeiras no século XVII estão os distritos históricos que formam o município de Brumadinho, desde 1938. São eles os distritos de Brumado do Paraopeba, que hoje se chama Conceição de Itaguá; São José do Paraopeba; Aranha, Piedade do Paraopeba e sede.

No decorrer dos anos, esses distritos preservaram sua cultura, história e natureza que, juntas, propiciam hoje um turismo diversificado que atrai investimentos turísticos em toda a extensão do município. Entre esses investimentos está o Instituto Cultural Inhotim, implantado no distrito de Conceição de Itaguá, atraindo público nacional e internacional. Um investimento cultural que abriu as portas de Brumadinho para o mundo.

Cada distrito histórico de Brumadinho traz riquezas culturais de grande atração turística e, um deles é São José do Paraopeba, onde estão concentradas quatro comunidades quilombolas e a Fazenda dos Martins, construída no período colonial/ escravocrata. Esta fazenda é tombada pelo Iepha- Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico, e está em fase inicial de restauração. Posteriormente, a Fazenda será aberta a visitação pública e transformada em Centro da Cultura Negra, com geração de emprego para os jovens quilombolas dos povoados de Rodrigues, Ribeirão, Sapé e Marinhos.

A potencialidade turística de São José do Paraopeba está também na produção de cachaça artesanal de qualidade. A famosa Cachaça Boa Vitória, exportada para todo o mundo está entre elas. Entretanto, o turista que chega ao distrito quer mesmo é conhecer o Quilombo do Sapé, formado por descendentes de escravos libertos da Fazenda dos Martins. Sapé mantem viva as festas tradicionais de Congado, Folia de Reis, Guarda de Moçambique, Festa da Consciência Negra e a Festa de São Benedito; que são comuns aos povoados irmãos quilombolas de Rodrigues, Ribeirão e Marinhos.  Estes eventos são grandes atrações turísticas do município de Brumadinho. 

Também em Brumadinho fica situado o distrito de Piedade do Paraopeba, que é um dos povoados mais antigos de Minas Gerais e, que pela data da chegada dos bandeirantes, no ano de 1674, sabe-se hoje que este distrito é mais antigo que Ouro Preto, Mariana e todas as outras cidades históricas de Minas Gerais, com igreja pré-barroca do período missionário-jesuítico, inaugurada em 1713.

Devido a sua situação geográfica e a sua extensão territorial de 634 km2, Brumadinho tornou-se um oásis no meio da Região Metropolitana de Belo Horizonte, um refúgio da classe média nos finais de semana e feriados. Por isso, nos últimos anos, Brumadinho vem sendo redescoberto pelos turistas que procuram lazer, entretenimento, descanso, cultura; proporcionado pelos empreendimentos turísticos instalados, principalmente, ao pé da Serra da Moeda, mais precisamente nas localidades  de Casa Branca, Suzana, Palhano e Piedade do Paraopeba.

Ao pé da Serra da Moeda existe uma natureza que encanta. É lá que está o distrito de Piedade do Paraopeba, que por sua vez abriga os povoados localizados na encosta. Neste distrito ainda existem casarões coloniais de fachada ainda original e, também, a Igreja de Piedade do Paraopeba e uma capela de Nossa Senhora do Rosário; possivelmente originada da confraria de escravos que não podiam frequentar a igreja matriz. Mesmo tendo perdido suas características setecentistas, a capela ainda conserva os acessos e parte dos muros em pedra que a cercam. É ali que ocorrem, em outubro, os festejos do Reinado de Nossa Senhora do Rosário.
A religiosidade, tradição deste distrito, tornou-se um centro de romaria para devotos a Nossa Senhora da Piedade, através da Via das Sete Dores; evento implantado em 2010.

Certamente, no entorno de Piedade, encontram-se excelentes restaurantes que vão desde a cozinha mineira até a cozinha árabe. Também nos arredores de Piedade, o turista pode cavalgar, caminhar, voar de parapente e asa delta, praticar mountain bike e balonismo.

Casa Branca é um povoado muito procurado pelos turistas devido a sua área de hospitalidade turística. Este povoado que pertence a sede do município desde a década de 90, pois antes disso pertencia a Piedade do Paraopeba, guarda histórias e mistérios. No século XVIII esta região foi ocupada por contrabandistas de ouro que construíram uma casa de fundição de moedas falsas para fugir dos impostos cobrados por Portugal. As ruínas desta casa ficaram conhecidas pelo nome de “Forte de Brumadinho”, atraindo a curiosidade de turistas aventureiros.
Em Casa Branca existem pousadas aconchegantes e bons restaurantes. O povoado possui uma gastronomia simples e saborosa, entre bistrôs sofisticados, cafés, restaurantes com comida árabe, massas e comida mineira. Lá o turista pode fazer caminhadas, arvorismo, tomar banho de cachoeira e praticar mountain bike, pois o lugar propicia estas atividades. Além disso, a grande atração nacional de Casa Branca é o Festival Gourmet, realizado no mês de setembro.

Também em Brumadinho existem muitas festas temáticas de grande atração, como as realizadas no distrito de Aranha. Entre elas estão o Festival da Jabuticaba, que nasceu devido ao distrito ser um grande produtor da fruta. Hoje em dia artesões produzem derivados da jabuticaba que são comercializados e, o Festival é um canal de divulgação do produto. Também neste distrito é realizada a Festa da Mexerica Poncã, no povoado de Melo Franco, que é o maior produtor de Mexerica do Vale do Paraopeba e quiçá de Minas Gerais. Neste povoado também são produzidos derivados da fruta que são comercializados. A Festa é proporcionada com a finalidade de divulgar este produto da terra.

Enfim, todos os distritos e povoados de Brumadinho estão atualmente em desenvolvimento e sendo redescobertos para empreendimentos turísticos. Foi devido a beleza natural descoberta em Brumadinho que o Inhotim foi implantado em Conceição de Itaguá, que também é um povoado setecentista que possui resquícios de sua grandiosidade de outrora e, que mantêm viva uma natureza impar ao pé da Serra da Conquistinha.

Já o distrito sede de Brumadinho, emancipado em 1938, incorporando em seu território todos os distritos históricos, cresceu graças a construção de uma estação do Ramal do Paraopeba da Estrada de Ferro Central do Brasil. É na sede de Brumadinho que está situada a Casa de Cultura Carmita Passos, onde será realizada a 2ª edição do Varal Antológico.

Jacqueline Aisenman, escritora e poetisa brasileira radicada em Genebra, estará no Brasil entre final de maio e início de junho, e passará por Salvador (BA), Florianópolis(SC), Belo Horizonte e Brumadinho (MG).

Em Brumadinho a escritora estará no dia 1º de junho, na Casa da Cultura Carmita Passos, as 19h30, onde em conjunto com a Prefeitura Municipal de Brumadinho, lançará o Varal Antológico 2, com os coautores desta antologia: André Victtor, Cláudio de Almeida Hermínio, Clevane Pessoa, Flávia Menegaz, Irineu Baroni, Maria Alice Lima Ferreira, Vó Fia e Norália de Mello Castro; que por sua vez, é moradora de Brumadinho e será anfitriã deste evento.



Neste encontro cultural os escritores, coautores, familiares e convidados, terão oportunidade de descobrir o potencial turístico de Brumadinho, a começar pela âncora turística que é o Museu de Arte Contemporânea e Jardim Botânico Inhotim.

Este será um momento ímpar cultural de Brumadinho e, a Casa da Cultura, que já sediou lançamento de escritores da cidade, como os livros dos colunistas do jornal Circuito Notícias: Dante Angelelli, Francisco Lima e Arnaldo Rodrigues; abrirá suas portas para o mundo, propiciando entrosamento e oportunidade para escritores brasileiros, mineiros e brumadinhenses.

Com certeza, o lançamento do Varal Antológico 2 na Casa da Cultura,  será  um momento de redescobrimento de Brumadinho.



Texto de: Maria Carmen de Souza Silva – Bacharel em Comunicação Social, Relações Públicas; Licenciada em Letras; Pós-graduada em Língua Portuguesa; profissionalizada em Jornalismo; fundadora do jornal Circuito Notícias e Diretora de Jornalismo da Prefeitura Municipal de Brumadinho.

Lançamento de livros em Salvador, Bahia, dia 25 de maio




dimanche 20 mai 2012

HOMENAGEM AO PASTOR HOLLERBACH

Pela Academia de Letras de Teófilo Otoni ALTO



Bienal do Livro de Minas Gerais terá apresentação de Nós da Poesia

Recebido de Clevane Pessoa Araujo Lopes

O Grupo Nós da Poesia faz sarau com performances poéticas na Bienal do Livro de Minas, no estante da All Print, no Expominas, no próximo domingo, 20 de maio, às 15 horas. Mais de 50 poetas de vários países da América Latina participam do grupo, mas as apresentações são realizadas com cinco a dez poetas. A última foi em Santiago, Chile, na Escuela Moderna de Música y Danza no dia 8 deste mês. O projeto realizado pelo Instituto Imersão Latina, com sede em Belo Horizonte participa das bienais do livro do Rio de Janeiro, Minas e São Paulo, desde 2009 e já passou também por congressos, encontros literários e feiras de livros de Montevidéu, Uruguai, Buenos Aires, Argentina, Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, Belém do Pará e Montes Claros, em Minas Gerais. 

Os livros Nós da Poesia volumes 1 e 2 estarão a venda no estande da editora All Print desde a abertura da bienal no dia 18. O valor de cada publicação é R$ 20,00, mas para quem quiser adquirir os dois volumes, será oferecido um desconto de R$5,00 por livro. 

Em junho será lançado o terceiro volume especial durante a Cúpula dos Povos, na Rio + 20. Esta próxima edição traduz a diversidade cultural com mais de 40 poetas participantes de 20 países da América Latina, além de Espanha, Canadá e São Tomé e Príncipe. São publicados também os destaques Criança não é Brinquedo, com poetas mirins, indígena e especial, que traz uma poetisa com síndrome de Dawn.
"Esta é uma forma de ressaltar que sem poesia a vida é insustentável e não há sustentabilidade possível no planeta, sem aprendermos a respeitar as diferenças e valorizar a diversidade cultural", aponta a presidente do Imel e organizadora da antologia, Brenda Marques Pena.

Para saber mais sobre o projeto Nós da Poesia, do Instituto Imersão Latina e ficar por dentro de nossa programação, acesse: http://nosdapoesia.blogspot.com e http://imersaolatina.com

Autores do Nós da Poesia volume 2:

Allez Pessoa, Antônio Carlos Altheman, Avelin Rosana, Bilá Bernardes, Brenda Mar(que)s Pena, Carlos Mario Uribe Álvarez , Carolina Orozco, Claiton Scherer, Cláudio Márcio Barbosa, Claudionor Aparecido Ritondale, Clevane Pessoa, Daniel Frini, Dymythryus, Delor Junior, Deth Haak, Edmundo Lima de Arruda Jr, Elias Antunes, Emiliana Maria de Souza Teixeira, Ênio Poeta, Fátima Sampaio, Fernando Armando Ribeiro, Gabriel Pessoa, Geraldo de Lamim, Helenice Rocha, Iván Verdugo, Jackeline Vasconcelos Valentim, Jania Souza, Juciléia Botelho, Juliana Lacerda de Oliveira Campos, Karina Araújo Campos, Lídia Dalmazo, Líria Porto, Lu Peçanha, Lucas Guimaraens, Lucas Maroca de Castro, Luiz Ângelo Vilela Tannus, Luiz Roberto Zanotti, Marcelo Campello, Marco Lisboa, Mariana Helena Jesus, Marina Mara, Natália Giacomello, Pâmilla Vilas Boas, Sandra Taís Amorim, Sílvia Motta, Tchello d´Barros.

Organização: Brenda Marques Pena / Instituto Imersão Latina
Prefácio: Lucas Guimaraens
Homenagem a Mercedes Sosa: Rosa Helena Pimentel
Memorial a Luiz Lyrio: Bruno Grossi e Clevane Pessoa
Capa:  Iara Abreu (ilustração), Beto Ferris (arte final),

Serviço:
Sarau Nós da Poesia com lançamento de livros
20/05/2012, domingo, de 15 horas às 17 horas
Estande da All Print, na Bienal do Livro de Minas (rua I, estante 13)
Expominas (Av. Amazonas 6030, Gameleira, Belo Horizonte / MG)

Informações para a Imprensa e entrevistas: nosdapoesia@imersaolatina.com
 (31) 88119469 / 32276869 (Brenda Marques - Instituto Imersão Latina)

HERNANDES LEÃO – O POETA DAS SETE COLINAS


Nesta obra, que é uma homenagem clara à Poesia, o autor demonstra de maneira intelectual e sábia; a sua peregrinação sublime pela senda transcendental e filosófica da escrita, rumo ao ápice moral da evolução pessoal e espiritual.
    Muitas vezes, nos perguntamos, como trilhar o glorioso caminho do bem, rumo à felicidade - poder galgar a majestosa paz de espírito?
    Assim como a mente; o coração, bem como a Alma, necessitam de aprofundamentos morais... afim de concretizar um caminho mais profícuo e sublimado de harmonia e consequentemente, de felicidade. Já que, esta, se faz... pelos pequenos e breves momentos! Mas, que, são na verdade grandiosos e impregnados por uma vasta nobreza; quando se tem consigo mesmo, uma visão mais resignada e harmônica de nossa trajetória para um mundo melhor. Basta que acordemos esse sublime sentimento, que a nossa visão do mundo se expandirá ao infinito... da bondade e da sabedoria!
    E é essa "visão poética do mundo..." que possibilita o autor à se encontrar! E Agora ela poderá ser compartilhada com todos vocês... pela poesia, do "Poeta das Sete Colinas".


BIOGRAFIA DO AUTOR

O Poeta Hernandes Alberto da Silva – HERNANDES LEÃO – O POETA DAS SETE COLINAS – como gosta de ser chamado; nasceu na cidade de Uberaba/MG, na data de 05/11/1973. Graduado em Comunicação Social – Jornalismo – pela Universidade de Uberaba (UNIUBE); o autor desde tenra idade aspirava seguir na estrada gloriosa da literatura, principalmente trilhar os caminhos da poesia. O Autor que é funcionário público, escritor e poeta; é casado com Tatiane, e vive também com seu enteado de nome: Pablo. Mas, sua motivação mesmo, são suas duas filhas: Julie e Louise – fruto de seu primeiro casamento - com quem gosta de sempre estar. Seu hobby, são: literatura e principalmente cinema. Aspirações, somente continuar escrevendo, rumo à felicidade! Atualmente, Hernandes Leão, escreve para vários Sites de Poesia no Brasil, e alguns na Europa, sendo dois deles em Portugal; e ainda um no Chile. Mas tudo começou, pelo site: “Recanto das Letras”; onde o autor expõe quase uma centena de textos poéticos. Os quais já possibilitaram, a participação em algumas Coletâneas de Poesias. Bem como na AVSPE (Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores), onde o autor é um dos membros efetivos. Já participou de algumas coletâneas.

TELEFONE: (34) 8817-8656
E-MAIL: hernandesleao@yahoo.com.br

Escritora Jacqueline Aisenman fala sobre cultura e educação

Entrevista concedida ao Portal de Informações RIUS

http://rius.com.br/artigo.php?sessao=Informacao&categoria=Entrevistas&titulo=Escritora-Jacqueline-Aisenman-fala-sobre-cultura-e-educacao&id=6684



vendredi 18 mai 2012

Entrevista com Jacqueline Aisenman por Rui Martins

Pela primeira vez, uma editora e livraria brasileira alugou um estande no Salão do Livro de Genebra e, durante cinco dias, vendeu livros com seus autores presentes autografando. Trata-se da Livraria Varal do Brasil, que também edita uma revista virtual com o mesmo nome, dirigida pela brasileira Jacqueline Aisenman.

Ali na rua Kafka, quase junto ao auditório destinado aos debates e entrevistas com os autores badalados e astros da escrita, a Varal do Brasil reuniu 14 escritores de editoras independentes, pequenas e médias, para receber os visitantes brasileiros, que se surpreendiam com a presença da literatura brasileira recémsaída das impressoras e com seus autores disponíveis para um papo. 

O ponto alto foi na sexta-feira, 27 de abril, às 15h00, quando diante do público, no palco chamado La Scène Libre, Varal do Brasil apresentou para os suíços e franceses presentes A Literatura de Cordel, com a participação dos escritores brasileiros Laudeci Ferreira, Valdeck Almeida de Jesus, acompanhados ao violão pelo músico e também escritor Marcelo Madeira. 

Ali estavam Mariana Brasil, cujo livro O Manuscrito de Sonia, o relato franco de uma profissional do sexo, inspirou Paulo Coelho; Lúcia Amélia Brulhardt com seu livro-mensagem de alerta contra o tráfico de mulheres Da Lama do Nordeste, à Fama da Europa; Josane Mary Amorim com seu romance Mevrouw Jane; Valdeck Almeida de Jesus, Beti Rozen, Rosemary Mantovani, Sandra Mara Bettonte, Laudecy Ferreira, Flávia Assaife, Ana Miquelin, Samarataine Pasquier e Val Beauchamp.
A própria Jacqueline Aisenman autografava seu novo livro Briga de Foice, apresentado, sábado dia 12, em Zurich pelo Cebrac.

Breve entrevista com Jacqueline Aisenman

Como surgiu a idéia de montar um stant no Salão do Livro de Genebra ?

A idéia surgiu a partir do momento que pensamos em não só editar editar os autores através da revista (www.varaldobrasil.ch), mas vender também seus livros pela livraria Varal do Brasil. Era, então, necessário se mostrar esses autores ao vivo para o público de Genebra e suíço que vai ao Salão. 
E fomos, como disseram alguns autores, um tanto ousados e nos lançamos juntos numa equipe fantástica e trouxemos a Genebra 14 autores para autografar e ganhamos espaço no palco da Cena Livre
para apresentar o cordel com o Valdeck, Laudeci e o Marcelo, no violão.

A Livraria já é digital ?

Pretendemos lançar o digital no ano que vem, pois é necessária toda uma nova estrutura no site e como nós estamos ainda começando na venda do livro papel, nós não temos ainda um ano de livraria, esperamos iniciar a edição digital no próximo ano.

Voce e seu esposo Paulo Roberto estão investindo bastante, quando custa uma parcela desta no Salão do Livro ?

Se formos pensar em todos os detalhes - pois não é só o estande que se paga, há toda uma estrutura em volta disso – nós, pequenos expositores, ultrapassamos de longe os 10 mil francos, pois temos de pagar desde uma tomada elétrica até ao catálogo. Para nós foi um grande investimento pensando nos autores, na difusão dos autores

E qual sua impressão, as visitas de pessoas ao estande corresponde ao desafio do investimento ?

A presença das pessoas demonstra que vale a pena investir nesse setor, porque as pessoas se surpreendem muito em encontrar a literatura brasileira e não a portuguesa e nos perguntam aqui em Genebra ? E nós respondemos – sim, aqui em Genebra.
Existe uma outra livraria, essa portuguesa, a Camões, mas eles trabalham com as grandes editoras. No nosso caso, somos diferentes e não existe uma concorrência com eles porque nós trabalhamos com autores independentes, pequenas e médias editoras e como estamos dando ênfase aos autores independentes e brasileiros, acho que fazemos um trabalho conjunto de divulgação da literatura.
E, por enquanto, queremos continuar na linha dos autores independentes pois eles têm muito a dizer, têm expressão livre e podem escrever o que quiserem por serem eles que editam e disso resultam coisas maravilhosas, romances, poemas, contos, crônicas, são muitos os estilos, são coisas maravilhosas.

Está tb pensando em editar ?

Já tenho alguma coisa parecida no Brasil junto com uma editora de Santa Catarina. Já editamos um pequeno livro de pensamentos pela Varal, justamente para difundir a boa energia e tudo mais. Estamos lançando agora o segundo volume do Varal Antológico, que é a edição impressa de autores que trabalham conosco e divulgam que escrevem na nossa revista. Acreditamos no formato digital e vamos permitir a utilização de diversos formatos no nosso site para as pessoas terem opção.


Tempos de crise – tempos de cuidado


Leonardo Boff

Teólogo/Filósofo

                               O tema do cuidado é, nos últmos tempos, cada vez mais recorrente na reflexão cultural. Primeiramente, foi veiculado pela medicina e pela enfermagem, pois representa a ética natural destas atividades. Depois foi assumido pela educação e pela ética e feito paradigma por filósofas e teólogas feministas especialmente norteamericanas. Veem nele um dado essencial da dimensão da anima, presente no homem e na mulher. Produziu e continua produzindo uma acirrada discussão especialmente nos EUA entre a ética de base patriarcal centrada no tema da justiça e a ética de base matriarcal assentada no cuidado essencial.

Ganhou força especial na discussão ecológica, constituindo uma peça central da Carta da Terra. Cuidar do meio-ambiente, dos recursos escassos, da natureza e da Terra se tornaram imperativos do novo discurso. Por fim, viu-se o cuidado como definição esencial do ser humano, como é abordado  por Martin Heiger em Ser e Tempo recolhendo uma tradição que remonta aos gregos, aos romanos e aos primeiros pensadores cristãos como São Paulo e Santo Agostinho.

Constata-se outrossim que a categoria cuidado vem ganhando força sempre que emergem situações críticas. É ele que impede que as crises se transformem em tragédias fatais.

A Primeira Grande Guerra (1914-1918), desencadeada entre paises cristãos, destruira o glamour ilusório da era vitoriana e produziu profundo desamparo metafísico. Foi quando Martin Heidegger(1889-1976) escreveu seu genial Ser e Tempo (1929), cujos parágrafos centrais (§ 39-44) são dedicados ao cuidado como ontologia do ser humano.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), despontou a figura do pediatra e psicólogo D. W. Winnicott (1896-1971) encarregado pelo governo inglês para acompanhar crianças órfãs ou vítimas dos horrorres dos bombardeios nazistas sobre Londres. Desenvolveu toda uma reflexão e uma prática ao redor dos conceitos de cuidado  (care), de preocupação pelo outro (concern) e de conjunto de apoios a crianças ou a pessoas vulneráveis (holding), aplicáveis também aos processos de crescimentoz e de educação.
            Em 1972 o Clube de Roma lançou o alarme ecológico sobre o estado doentio da Terra. Identificou a causa principal: o nosso padrão de desenvolvimento, consumista, predatório, perdulário e totalmente sem cuidado para com os recursos escassos da natureza e os dejetos produzidos. Depois de vários encontros organizados pela ONU a partir dos anos 70 do século passado, chegou-se à proposta do um  desenvolvimento sustentável, como expressão  do cuidado humano pelo meio ambiente mas centrado especialmente no aspecto econômico.
            O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Fundo Mundial para a Natureza (WWF) e a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) elaboraram em 1991 uma estratégia minuciosa para o futuro do planeta sob o signo Cuidando do Planeta Terra (Caring for the Earth 1991). Ai se diz: A ética do cuidado se aplica tanto a nivel internacional como  a níveis nacional e individual; nenhuma nação é auto-suficiente; todos lucrarão com a sustentabilidade mundial e todos estarão ameaçados se não conseguirmos atingi-la.
            Em março de 2000, recolhendo esta tradição, termina em Paris, depois de oito anos de trabalho a nível mundial, a redação da Carta da Terra. A categoria sustentabilidade,  cuidado ou o modo sustentável de viver constituem os dois eixos articuladores principais do novo discurso ecológico, ético e espiritual.  Em 2003 a UNESCO assumiu oficialmente a Carta da Terra e a apresentou como um substancial instrumento pedagógico para a construção responsável de nosso futuro comum.

Em 2003 os Ministros ou Secretários do meio ambiente dos países da América Latina e do Caribe elaboram notável documento Manifesto pela vida, por uma ética da sustentabilidade   onde a categoria cuidado é incorporada na idéia de um desenvolvimento para que seja efetivamente sustentável e radicalmente humano.

O cuidado está especialmente presente nas duas pontas da vida: no nascimento e na morte. A criança sem o cuidado não existe. O moribundo precisa do cuidado para sair decentemente  desta vida.

Quando desponta alguma crise num grupo gerando  tensões e divisões, é a sabedoria do cuidado  o caminho mais adequado para ouvir as partes, favorecer o diálogo e buscar convergências. O cuidado se impõe quando irrompe alguma crise de saúde que exige internação hospitalar. O cuidado é posto em ação por parte dos médicos, médicas, dos enfermeiros e enfermeiras, decidindo sobre o que melhor fazer.

O cuidado é exigido em praticamente todas as esferas da existência, desde o cuidado do corpo, da vida intelectual e espiritual, da condução geral da vida até ao se atravessar uma rua movimentada, Como já observava o poeta romano Horácio, “o cuidado é aquela sombra que  nunca nos abandona porque somos feitos a partir do cuidado”.

Hoje dada a crise generalizada seja social seja ambiental, o cuidado torna-se imprescindível para preservarmos a integridade da Mãe Terra e salvaguardar a continuidade de nossa espécie e de nossa civilização.

Programa Debates Culturais de sábado, dia 19 de maio de 2012


Aviso aos meus amigos que sábado, dia 19 de maio, o programa Debates Culturais terá, além de mim, Alessandro Lyra Braga, as presenças da coordenadora da Equipe Resgato – sociedade civil pelos direitos dos animais, Marli Moraesdo psicólogo, especializado em doença da compulsão, Roberto Antunes; do administrador e militante de vários movimentos de mobilização popular, Ricardo Novaes; do presidente do Comitê de Sustentabilidade da Associação Comercial e Industrial de JacarepaguáRobert Barboza; e, do coronel reformado da Polícia Militar do Rio de JaneiroMilton Corrêa da Costa.



Conversaremos sobre a questão das drogas, o crescimento do consumo do crack e sobre a proposta de descriminalização da maconha. Debateremos ainda sobre os impactos ambientais de grandes obras públicas em áreas urbanas. Falaremos ainda sobre políticas de segurança pública e o crescimento da criminalidade nos centros urbanos.



O programa Debates Culturais é transmitido pela Rádio Boas Novas AM 1320 do Rio de Janeiro, todos os sábados, a partir das 14:00hs. Quem desejar participar por telefone com perguntas e/ou comentários, pode fazê-lo pelo telefone 2576-8484. O programa também poderá ser ouvido ao vivo pela internet, acessando o site da emissora, http://www.radioboasnovas.com.br/. Quem não puder ouvir nosso programa ao vivo, poderá ouvi-lo na íntegra, quando desejar, em nossa revista eletrônica http://www.debatesculturais.com.br, acessando, na barra azul de botões, a seção “Áudio dos Programas”





Acompanhem nosso Twitterhttp://twitter.com/debatescult!



A todos os meus amigos, um bom final de semana e espero que gostem do programa e dos artigos da revista!


jeudi 17 mai 2012

Jacqueline Aisenman participa de Café literário no CEBRAC de Zurique


























ENCONTRO


CONVITE


COMUNICADO


Avisamos a todos os escritores, editores independentes e envolvidos na cadeia produtiva de livro, leitura e literatura que a partir do dia 15 até o dia 23 de maio, estarão abertas as inscrições para participarem, com suas obras, no V SALÃO DO LIVROS DE SANTARÉM (25/05 a 03/06) E XVI FEIRA PAN-AMAZÔNICA DO LIVRO (SETEMBRO). O local para entrega e assinatura do contrato se dará no CENTUR, na sala PANÓTICO, área da praça da Leitura, nos horários de 08h00 as 12h00 e 14h00 as 18h00 . Interessados , enviem email para: estandedoescritorparaense2011@gmail.com A/C Cláudio Cardoso, para outras informações ou liguem para 8882-2908.


A comissão.

contatos: (91) 8882-2908

Recebido de Cláudio Cardoso

Crônica da Urda


É MUITO DIFERENTE, HOJE, IR-SE A MACHUPICHU!
============================================

(Excerto do livro "Viagem ao Umbigo do Mundo, publicado em 2006)


No outro dia era o dia de ir a Machupichu, isto é, para quem quisesse. Como também já descrevi Machupichu no livro “Entre condores e lhamas”, já citado mais de uma vez mais para trás, vou aqui me limitar a contar que o acesso a Machupichu mudou muito desde que lá fora a primeira vez. Em 1993 fora até lá em animado trem cheio de peruanos e turistas, onde ambulantes vendiam gostosas comidas e um galo cantava alegremente dentro de um balaio. Onze anos depois as coisas tinham mudado muito.  Para se pegar esse alegre e animado trem, atualmente, é necessário ser-se peruano. Como uma das famílias limeñas que estava no encontro de Motociclismo resolvera também ir a Machupichu naquele dia, Kako, o rapaz de Porto Alegre, com seu jeitão de salteador espanhol juntou-se a eles, disfarçou-se de peruano ... e foi a Machupichu por 25 soles, o que dá mais ou menos 20 reais (8 ou 9 dólares).
                                   Pessoas de outras nacionalidades interessadas a ir a Machupichu, atualmente, podem fazer duas opções: um trem de 90 dólares ou outro de 120 dólares. O de 120 dólares tem, inclusive, teto solar, e champanha francesa a rodo. Nós que fomos, fomos no de 90 dólares, triste trem sem choclo com queijo para comprar, sem galo cantando dentro de um balaio, só cheio de gente solene, ilhada em pequenos grupos de línguas diversificadas, que não tinham como se comunicar.
                                   O saltar do trem, no sopé da montanha onde, no alto, fica Machupichu, foi outra surpresa: onde no passado houvera o pequenino povoado de Águas Calientes e um ou outro artesanato para comprar, agora virara uma feira de artesanato, com centenas de lojinhas e vendedores vendendo todo o tipo de artesanato possível e imaginável que o Peru produzisse. Aquele era um lugar estreito e apertado entre duas montanhas, onde mal e mal passava o trem e havia um minúsculo povoado, não comportava toda aquela gente, todo aquele artesanato e toda aquela balbúrdia. Se os Filhos do Sol sonhassem que um dia o seu mundo seria assim invadido!   

Observação:
Descobri, depois, que se for de ônibus atéa estação seguinte de trem, pode-se continuar pegando o alegre e colorido trem para Machupichu, aque todo animado, e que custa 25 soles. 

Urda Alice Klueger
Escritora, historiadora e doutoranda em Geografia pela FPR

MIL POEMAS A GONÇALVES DIAS - PUBLIQUE-SE!


* Nadir Silveira Dias

Seguindo os passos do que fez Alfred Asís, no Chile, que projetou, angariou e publicou dois tomos UN CANTO DE AMOR MIL POEMAS A PABLO NERUDA, iniciativa depois estendida para o Peru com MIL POEMAS PARA CÉSAR VALLEJO, com o livro já em impressão, e atualmente na Espanha com MIL POEMAS A MIGUEL HERNÁNDEZ, chegou agora a vez do Brasil em homenagear seus valores nacionais.

E a iniciativa vem do Maranhão em realizar a obra MIL POEMAS A GONÇALVES DIAS através das suas instituições históricas e culturais.

Segundo a 3ª Convocatória que recebi há dois dias, são promotores do evento o IHG – Instituto Histórico e Geográfico de Caxias e a Academia de Letras de Caxias, enquanto que as entidades envolvidas na iniciativa e no projeto são as seguintes:

Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM;
Sociedade de Cultura Latina do Estado do Maranhão – SCLM;
Federação das Academias de Letras do Maranhão - FALMA;
UFMA;
Academias de Letras (Maranhão, Caxias);
SOBRAMES – Sociedade Brasiileira de Médicos Escritores;
Associação Internacional de Poetas del Mundo; e
SALAC.

Os poemas em homenagem ou sobre Gonçalves Dias deverão ser enviados para Dilercy Adler: dilercy@hotmail.com

Os estudos e pesquisas em homenagem ou sobre Gonçalves Dias deverão ser enviados para Leopoldo Gil Vaz: vazleopoldo@hotmail.com

Para acessar a integra da convocatória, acessar o saite do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM: http://ihgm1.blogspot.com.br/ ou acompanhar e bem compreender o texto que recebi da 3ª Convocatória de MIL POEMAS A GONÇALVES DIAS:

“3ª CONVOCATÓRIA (MARÇO - JUNHO 2012)
“MIL POEMAS PARA GONÇALVES DIAS”
10 DE AGOSTO DE 2011 / 10 DE AGOSTO DE 2013
Lançamento da Antologia (09 a 11 de Agosto de 2012) nas cidades de São Luís-MA e Caxias-MA-Brasil
A idéia vem do Chile. Nasceu por ocasião da comemoração do aniversário de 107 anos do grande poeta Chileno Pablo Neruda, em julho do ano em curso, quando entre outras atividades foi lançada a antologia “MIL POEMAS PARA PABLO NERUDA” organizada por Alfred Asís. A realização desse projeto foi estendida para o poeta peruano Cesar Vallejo, que terá a sua antologia “MIL POEMAS PARA CESAR VALLEJO”. Nessa ocasião surgiu a ideia da organização de uma antologia e homenagem dessa natureza para um poeta brasileiro.
O Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão-IHGM aprovou em sua reunião de Assembleia Geral Ordinária, de Setembro de 2011, a inclusão do Projeto em homenagem a Gonçalves Dias, apresentada pela Confreira Dilercy Aragão Adler, dentro do Ciclo de Estudos/debates sobre a Formação do Maranhão e Fundação de São Luís.
A proposta é de, convidados poetas do mundo, prestar homenagens escrevendo para Gonçalves Dias; ainda, trabalhos de pesquisa histórica sobre sua vida e obra; participação aberta a escritores, poetas, pesquisdores, professores universitários, acadêmicos, e estudantes, universitários e do Ensino Fundamental e Médio.
OBJETIVOS
- Conhecer a vida e a obra de Gonçalves Dias e reconhecer a importância das motivações que caracterizam a sua obra, tais como o romantismo, o nacionalismo e dentro deste a valorização dos povos que iniciaram a história do nosso país.
- Apreender a importância do conhecimento e divulgação da vida e obra dos grandes nomes nacionais.
- Compreender a urgência de otimização do potencial criador da criança e adolescente e o papel de mediação da escola e da família e das Instituições culturais nessa perspectiva.
Os poemas/trabalhos podem ser enviados até 30 de junho de 2012
NORMAS
a) POEMAS
- cada Poeta poderá apresentar até cinco (cinco) poemas (cinco páginas),formato A4, times New Roman, tamanho 12, espaço 1,0.
- enviar adjunto currículo literário resumido (no máximo seis linhas), em que conste data de nascimento, cidade e país de origem; e-mail, com foto atualizada.
- a aceitação dar-se-á na ordem de recebimento da (s) obra(s), até se completarem os 1000 (mil) poemas. Um mesmo autor poderá mandar uma poesia, caso queira enviar outra obra posteriormente, dentro do limite de cinco (05) por Poeta, poderá fazê-lo, indicando que já enviou uma primeira obra; sendo colocadas todas juntas.
Envio de Poesias para: dilercy@hotmail.com
b) ESTUDOS E PESQUISAS:
- Cada autor ou co-autor poderá enviar até dois (02) textos, com o máximo de 20 (vinte) páginas, formato A4, Times new Roman, tamanho 12, espaço 1, incluindo bibliografia e fotos.
- ao enviar sua obra, deverá vir acompanhada pequena bio-bliografia, com foto atualizada, em que conste o motivo de participar da antologia; cidade e país de origem;
- a publicação se dará na ordem de recebimento da (s) obra(s).
Envio de Trabalhos para: vazleopoldo@hotmail.com
Divulguem em sua Instituição, Cidade, Estado e País.
ÚLTIMAS INFORMAÇÕES:
Já estamos com a publicação da Antologia “MIL POEMAS PARA GONÇALVES DIAS” garantida. A Editora da Universidade Federal do Maranhão–EDUFMA, vai editar a Antologia sem custos para os autores. A primeira data prevista para o lançamento é 10 de agosto de 2012 (aniversário de Gonçalves Dias - 189 anos - e ano da comemoração dos 400 anos de fundação de São Luís), vai depender de atingirmos a meta dos Mil Poemas. Precisamos completar os MIL POEMAS, por isso pedimos a sua colaboração para divulgar também, na sua cidade, no seu Estado, no seu país e para os seus contatos no estrangeiro!”

O homenageado é um dos significativos expoentes da poesia e da literatura brasileiras, em especial, porque tanto trouxe o Brasil para dentro da literatura, quanto o índio, juntamente com José de Alencar, além de projetar para o exterior o nosso belo país.

Por isso, estimados colegas e amigos, bons e belos poemas! Bons estudos e pesquisas para MIL POEMAS A GONÇALVES DIAS!




* Poeta e Escritor – nadirsdias@yahoo.com.br




lundi 14 mai 2012

Lançamento livro poeta Luiz Otávio Oliani


O poeta Luiz Otávio Oliani e a Editora Multifoco têm o prazer de convidá-lo(a) para o lançamento do livro de poemas “A eternidade dos dias”, no dia 17 de maio de 2012, a partir das 18 horas, no Espaço Multifoco, Av.Mem de Sá, 126, Lapa, Rio de Janeiro.

Trata-se da terceira obra solo de Oliani que já publicou “Fora de órbita” (2007) e “Espiral” (2009) e figura em mais de 300 jornais, revistas e alternativos e 53 antologias pelo País.

Vide convite anexo.
Att.
O autor


Valor do livro: R$32,00 (trinta e dois reais)

Abertas inscrições para o Prêmio Ibero-Americano SM


Estão abertas as inscrições para o VIII Prêmio Ibero-Americano SM de Literatura Infantil e Juvenil. Instituições, associações e grupos editoriais, educacionais ou culturais podem indicar escritores até o dia 31 de maio. O vencedor, que recebe US$ 30 mil, será anunciado durante a Feria Internacional del Libro de Guadalajara (FIL), no segundo semestre do ano. Cada instituição tem o direito de apresentar apenas um candidato, que deve possuir publicações voltadas a crianças e adolescentes. Os detalhes sobre a inscrição estão disponíveis no regulamento. O Prêmio Ibero-Americano SM de Literatura Infantil e Juvenil é promovido anualmente pela Fundação SM.

(Recebido de Clevane Pessoa de Araújo Lopes)

vendredi 11 mai 2012

Varal do Brasil no Salão do Livro de Genebra: cordel no palco!

video

Laudecy Ferreira, Marcelo Candido Madeira e Valdeck Almeida de Jesus numa homenagem ao escritor Jorge Amado!
Vídeo de Marcelo Candido Madeira.

video

Semana dos Trabalhadores Brasileiros


Convite para o Seminário Acadêmico Cultural - 2012


Conforme divulgado no I Seminário Acadêmico Cultural, realizado no ano passado pela ARTPOP em Cabo Frio, a Academia de Letras e Artes Buziana – ALAB será a anfitriã do II Seminário Acadêmico Cultural Internacional. Trata-se de um encontro cultural para o aperfeiçoamento do artista em suas mais diversas modalidades. Um encontro multidisciplinar, composto por muito intercâmbio de informações.
Dentre os conferencistas convidados, a ALAB contará com o Catedrático e Patrono da ALAB, Evanildo Bechara,  da Academia Brasileira de Letras – ABL e muitos outros. Durante o final de semana, além da Cerimônia Acadêmica da ALAB,  acontecerá também a I Semana de Artes e Culturas Internacionais – “I SACI - 2012”, onde as várias nacionalidades existentes na cidade apresentarão a arte e cultura de seus países. Será um encontro imperdível, cheio de atividades.
As atividades do Seminário e SACI serão totalmente gratuitas para os participantes, portanto, agende-se para compartilhar conosco de mais esse momento cultural.
Visite o BLOG Oficial do evento, onde os participantes tem à disposição todas as informações pertinentes ao final de semana, tais quais, programação, hotéis e restaurantes credenciados, formulário de inscrição e turismo em Búzios.
Participe da Feira Literária e lance seu livro! Participe da Exposição de Artes Plásticas! Não tem custo!Não fique de fora desta oportunidade de conhecer uma das cidades mais lindas - a sexta mais visitada do Brasil - e ainda fazer um intercâmbio cultural incrível!.
Dúvidas: dyandreia@gmail.com.br ou alab@mar.com.br


mercredi 9 mai 2012

SEXTA-FEIRA DIA 12 DE MAIO, CAFÉ LITERÁRIO NO CEBRAC DE ZURIQUE

Sustentabilidade e Educação


Leonardo Boff

Teólogo e Filósofo

                                                
A sustentabilidade, um dos temas entrais da Rio+20, não acontece mecanicamente. Resulta de um processo de educação pela qual o ser humano redefine o feixe de relações que entretém com o Universo, com a Terra, com a natureza, com a sociedade e consigo mesmo dentro dos critérios de equilíbrio ecológico, de respeito e amor à Terra e à comunidade de vida, de solidariedade para com as gerações futuras e da construção de  uma democracia sócio-ecológica sem fim.

Estou convencido de que somente uma processo generalizado de educação pode criar novas mentes e novos corações, como pedia a Carta da Terra, capazes de fazer a revolução paradigmática exigida pelo risco global sob o qual vivemos. Como repetia com freqüência Paulo Freire:”a educação não muda o mundo mas muda as pessoas que vão mudar o mundo”. Agora todas as pessoas são urgidas a mudar. Não temos outra alternativa: ou mudamos ou conheceremos a escuridão.

Não cabe aqui abordar a educação em seus múltiplos aspectos tão bem formulados em 1996 pela UNESCO: aprender a conhecer, a fazer, a ser e a viver juntos; eu acrescentaria aprender a cuidar da Mãe Terra e de todos os seres.

Mas este tipo de educação é ainda insuficiente. A  situação mudada do mundo exige que tudo seja ecologizado, isto é, cada saber deve prestar a sua colaboração a fim de proteger a Terra, salvar a vida humana e o nosso projeto planetário. Portanto, o momento ecológico deve  atravessar todos os saberes.

A 20 de dezembro de 2002 a ONU aprovou uma resolução proclamando os anos de 2005-2014 a Década da educação para o desenvolvimento sustentável. Neste documento se definem 15 perspectivas estratégicas em vista de uma educação para  sustentabilidade. Referiremos algumas:

Perspectivas socioculturais que incluem: direitos humanos, paz e segurança; igualdade entre os sexos; diversidade cultural e compreensão intercultural; saúde; AIDS; governança global.

Perspectivas ambientais que comportam: recursos naturais (água, energia, agricultura e    biodiversidade); mudanças climáticas; desenvolvimento rural; urbanização sustentável; prevenção e mitigação de catástrofes.

Perspectivas econômicas que visam: a redução da pobreza e da miséria; a responsabilidade e a prestação de contas das empresas.

Como se depreende, o momento ecológico está presente em todas as disciplinas: caso contrário não se alcança uma sustentabilidade generalizada. Depois que irrompeu o paradigma ecológico, nos conscientizamos do fato de que todos somos ecodependentes. Participamos de uma comunidade de interesses com os demais seres vivos que conosco compartem a biosfera. O interesse comum básico é manter as condições para a continuidade da vida e da própria Terra, tida como  Gaia. É o fim último da sustentabilidade.      

A partir de agora a educação deve impreterivelmente incluir as quatro grandes tendências da ecologia: a ambiental, a social, a mental e a integral ou profunda (aquela que discute nosso lugar na natureza). Mais e mais se impõem entre os educadores esta perspectiva: educar para o bem viver  que é a arte de viver em harmonia com a natureza e propor-se repartir equitativamente com os demais seres humanos  os recursos da cultura e do desenvolvimento sustentável.

Precisamos estar conscientes de que não se trata apenas de introduzir corretivos ao sistema que criou a atual crise ecológica mas de educar para sua transformação. Isto implica superar a visão reducionista e mecanicista ainda imperante e assumir a cultura da complexidade. Ela nos permite ver as interrelações do mundo vivo e as ecodependências do ser humano. Tal verificação exige tratar as questões ambientais de forma global e integrada. Deste tipo de educação se deriva a dimensão ética de responsabilidade e de cuidado pelo futuro comum da Terra e da humanidade. Faz descobrir o ser humano como o cuidador de nossa Casa Comum e o guardião de todos seres. Queremos que a  democracia sem fim (Boaventura de Souza Santos) assuma as características socioecológicas pois só assim será adequada à era ecozóica e responderá às demandas do novo paradigma. Ser humano, Terra e natureza se pertencem mutuamente. Por isso é possível forjar  um caminho de convivência pacífica. É o desafio  da educação.

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...