samedi 28 juillet 2012

REGULAMENTO VARAL ANTOLÓGICO 3


1)      DA SELEÇÃO E DA PARTICIPAÇÃO

1.1. O Varal Antológico é promovido pelo VARAL DO BRASIL
®, revista literária eletrônica realizada na Suíça (ISSN 1664-5243).

1.2 Serão consideradas abertas as inscrições a partir de 20 de julho até 20 de setembro de 2012. Caso o número de participantes ideal seja atingido, as inscrições poderão ser encerradas mais cedo.  

1.3. Poderão participar da antologia todas as pessoas físicas maiores de 18 anos, ou menores com permissão do responsável, de qualquer nacionalidade ou residentes em qualquer país, desde que escrevam na língua portuguesa.
1.4. A coletânea terá tema livre e será composta por diversos gêneros literários, o escritor podendo enviar contos, poemas, trovas, haicais, sonetos e crônicas ou outros.

2)       DA ACEITAÇÃO DOS TEXTOS
2.1. Serão aceitos textos em língua portuguesa, com tema livre, em formato A4, espaços de 1,5, fonte Times New Roman de tamanho 12 e que não ultrapassem quatro páginas. Os textos deverão vir acompanhados dos dados de inscrição (ver abaixo).

2.2. Não serão aceitos textos que pertençam ao universo de personagens já existentes criados por outro autor. Também não serão aceitos textos politica ou religiosamente tendenciosos, que expressem conteúdo racista, preconceituoso, que façam propaganda política ou contenham intolerância religiosa de culto ou ainda possuam caráter pornográfico. Também não serão aceitos textos que possam causar danos a terceiros ou que divulguem produtos ou serviços alheios.
2.3 Os textos não deverão ter ilustrações ou gráficos.

2.4 Serão recusados os textos que não vierem na formatação requisitada, assim como os textos que chegarem colados no corpo do e-mail.
2.5. Os textos recebidos serão examinados por uma banca formada pela equipe do VARAL DO BRASIL ® e alguns escritores e/ou críticos convidados. A avaliação se dará com base nos seguintes critérios: criatividade e originalidade do texto, assim como a qualidade do mesmo.    

2.6 Os textos deverão vir acompanhados de uma pequena biografia. A biografia, escrita na terceira pessoa, deverá conter no máximo cinco linhas (A5, letra Times New Roman 12, espaço 1.5). Lembre-se sempre que numa biografia, como em muito na vida, menos é mais.

2.7. Os textos devidamente formatados deverão ser enviados para o e-mail: varaldobrasil@gmail.com, juntamente com os dados de inscrição e demais documentos de autorização.
2.8. Ao se inscrever na Antologia o autor autoriza automaticamente a veiculação de seu texto, sem ônus para a revista VARAL DO BRASIL ® nos meios de comunicação existentes ou que possam existir com a intenção de divulgar a antologia.


3)   SOBRE AS INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO:
3.1. As inscrições para a Antologia serão abertas no dia 20 de julho 2012 e encerradas no dia 20 de setembro de 2012, podendo ser encerradas antes, caso o número de textos recebidos e avaliados sejam aprovados antes da data, no formato e padrão já descritos. O livro será publicado em 2013. As inscrições só poderão ser feitas pelo e-mail varaldobrasil@gmail.com
OS NOMES DOS SELECIONADOS SERÃO DIVULGADOS NO DIA 30 DE SETEMBRO POR E-MAIL.
3.2. Para participar os candidatos deverão, além de enviar um ou mais textos de acordo com as regras estabelecidas neste regulamento, fornecer o formulário anexo preenchido.
3.3. Só serão aceitas inscrições através dos procedimentos previstos neste regulamento. Os dados fornecidos pelos participantes, no momento das inscrições, deverão estar corretos, claros e precisos. É de total responsabilidade dos participantes a veracidade dos dados fornecidos à organização da Antologia.
3.4. Todo autor é proprietário dos direitos autorais dos textos por ele enviados para publicação no livro e cuja autoria seja comprovada pela declaração enviada;

3.5. Em caso de fraude comprovada, o texto será excluído automaticamente da antologia. Cada autor responderá perante a lei por plágio, cópia indevida ou outro crime relacionado ao direito autoral.
3.6 Todo autor é livre para divulgar, preparar lançamentos, noites de autógrafos, individuais ou em conjunto, do livro VARAL ANTOLÓGICO 3, desde que se responsabilize por todas as despesas - preparativos para lançamento, custos administrativos e convites, compra de exemplares a mais do que os recebidos pela participação – pertencendo também ao participante o valor das vendas dos livros em questão. Para tanto, o participante apenas deverá entrar em contato com a revista através do e-mail varaldobrasil@gmail.com para que o número de exemplares lhe seja enviado mediante pagamento (preço da editora / remessa), notando-se aqui a antecedência requerida. O VARAL DO BRASIL®  reserva-se o direito de estar ou não presente nos lançamentos organizados pelo autor.

3.7. Os participantes concordam em autorizar, pelo tempo que durar a antologia com a editora, que a organização faça uso do seu texto, suas imagens, som da voz e nomes em mídias impressas ou eletrônicas para divulgação da Antologia, sem nenhum ônus para os organizadores, e para benefício da maior visibilidade da obra e seu alcance junto ao leitor.

4)  DO PAGAMENTO PELO SISTEMA DE COTAS

4.1. A participação se dará no sistema de cotas, sendo que cada autor deverá proceder ao pagamento da seguinte forma:
(a) Cada autor pagará o valor de R$ 550,00 (quinhentos e cinquenta reais) que podem ser pagos à vista ou
(b) em duas parcelas de R$ 290,00, sendo o primeiro pagamento até 31 de outubro de 2012 e o segundo e último pagamento até 30 de novembro de 2012.
(c) O pagamento deverá ser feito no caso do autor receber comunicação comprovando a aprovação do (s) seu (s) texto (s)
4.2. A cada depósito o comprovante deve ser enviado para o e-mail varaldobrasil@gmail.com
4.3. O recebimento do pagamento total dá ao autor a garantia de sua participação na coletânea. O não recebimento de nenhuma parcela até o dia 10 de novembro de 2012 anula a participação do autor.

4.4. O pagamento parcial do valor cooperativo não dá direito à participação no livro. Caso o autor não termine o pagamento acordado, será substituído por outro participante e comunicado através de e-mail.

4.5. No dia 20 de dezembro considerar-se-á o livro fechado.

4.6. O (s) depósito (s) deverá (ão) ser feito (s) em nome de:

*Estas coordenadas serão fornecidas por e-mail
*É imperativo que o comprovante de depósito seja enviado para nosso e-mail para confirmação do pagamento.

4.7. Não haverá prorrogação dos prazos de depósito em respeito a todos os participantes selecionados. Pequenos atrasos podem ser considerados desde que avisados através do e-mail varaldobrasil@gmail.com e em acordo com a equipe organizadora.

4.8. Os participantes receberão um total de 10 exemplares da Antologia por participação.
O livro terá aproximadamente 250 páginas no formato padrão (14 x 21 cm)
Capa nas medidas 14 x 21 cm fechado; Laminação BOPP Fosca (Frente);
Capa em Supremo 250g/m² com 4 x 0 cores; Miolo
Fechado em Pólen Soft 80g/m² com 1 x 1 cores
Os serviços prestados serão de editoração completa:
Leitura e seleção
Revisão
Projeto gráfico
criação de capa
ISBN e ficha cartográfica
impressão

4.9. A presente antologia será editada pela Design Editora com o selo editorial Varal do Brasil,  será registrada e receberá ISBN , mas cada autor é responsável por registrar suas obras.
4.10. A remessa dos exemplares para o endereço do autor que não se encontrar presente quando do lançamento do livro será paga pelo mesmo, independente do valor pago pela participação. A remessa acontecerá após o lançamento do livro e o autor deverá solicitar o valor do frete pelo e-mail atendimento@designeditora.com.br


            5)  OUTRAS INFORMAÇÕES

5.1. Dúvidas relacionadas a esta antologia e seu regulamento poderão ser enviados para o e-mail varaldobrasil@gmail.com

5.2. Todas as dúvidas e casos omissos neste regulamento serão analisados por uma comissão composta pela equipe organizadora e sua decisão será irrecorrível.
5.3. Para todos os efeitos legais, o participante da presente Antologia, declara ser o legítimo autor dos textos por ele inscritos, isentando os organizadora  a editora de qualquer reclamação ou demanda que porventura venha a ser apresentada em juízo ou fora dele.
5.4. O VARAL DO BRASIL ® reserva-se o direito de alterar qualquer item desta Antologia, bem como interrompê-la, se necessário for, fazendo a comunicação expressa aos participantes.

5.5. A participação nesta Antologia implica na aceitação total e irrestrita de todos os itens deste regulamento.
5.6.  A data prevista para a entrega dos exemplares do livro VARAL ANTOLÓGICO 3 é durante o lançamento do mesmo em 2013 (data a ser agendada) e pelos correios em média vinte a trinta dias após o lançamento (O autor se responsabilizará por pagar o frete caso deseje receber seus livros pelos correios). Será oportunamente discutida uma noite de autógrafos organizada pela revista VARAL DO BRASIL ®

5.7 Em caso de, por motivos de força maior, não puder ser realizado um lançamento físico do livro VARAL ANTOLÓGICO 3, os livros poderão ser requisitados pelos autores através do e-mail atendimento@designeditora.com.br após aviso por parte do VARAL DO BRASIL ®  e um ou mais lançamentos virtuais poderão ser realizados.

5.8.  Os livros ficarão à disposição na editora para serem solicitados por TRÊS meses após o lançamento e/ou aviso aos autores por parte do VARAL DO BRASIL ®. Após esta data considerar-se-á que o autor não deseja receber os livros e os mesmos poderão ser doados a alguma escola, biblioteca ou outros.

5.9. O fórum para qualquer recurso é situado em Genebra, Suíça.



Genebra, dia 15 de julho de 2012



CHUVA FINA NÃO-BOA


Ai, que triste chuva fina,
sem o vento que a vida, empina,
vem dos frios ares do sul,
ao sudeste de nossa esquina,
cai, em vão, de’um céu não-azul,
em quem se vai,
assim tão menina.

Ai, chuva fina. É garoa,
que descansa no ar, bem à-toa,
como véu de gotículas, que voa
na manhã que seria verão.
Que chuva fina não-boa,
celebriza o frio a São Paulo,
e tira o sol da Gamboa.


Nota do autor.
“Um dia nos reencontraremos, meu doce Anjo Lilás.”


Por Roberto Armorizzi 
https://www.clubedeautores.com.br/book/120710--Meu_Anjo_Lilas

Crônica da Urda


Histórias da Minha Avó


Minha avó não tinha dentes. Eu passei a conviver diariamente com ela quando ela tinha se tornado irremediavelmente velha, aos sessenta anos, e ela me fascinava por ser um poço sem fundo de histórias para contar, e também pelo fato de não ter dentes.
Minha avó ensinou-me coisas estranhas. Por exemplo, no começo do verão, naquelas maravilhosas tardes de começo de verão em que os pepinos estavam começando a formar os frutos no nosso quintal, minha avó fazia coisa estranhíssima: colhia um pequeno pepino ainda em formação, tenro pepino de casca verde, e sentava-se à sombra, numa grande pedra que havia no nosso jardim. Com uma faca afiada, ela ia cortando o pepino em finas fatias translúcidas, com casta e tudo, e punha-se a mascá-las. É claro que eu não arredava do pé dela, totalmente fascinada por aquela pessoa estranha que comia pepino sem sal e sem vinagre, e COM CASCA!, e podia ficar por horas acocorada perto dela, a espiar como suas gengivas sem dentes mascavam as finas fatias do pepino, que ela saboreava com tanto prazer. É claro, também, que em pouco tempo eu também comia pepino do mesmo jeito que ela, e aquele é um gosto que ainda hoje tenho na boca, de tão bom que era!
Nas amenas tardes do começo do calor, minha avó, além de me dar o espetáculo das suas gengivas desdentadas trabalhando, me deu o incomensurável presente das suas histórias.
Ela chegara ao Brasil prestes a fazer sete anos, oriunda da Lituânia, que a gente não sabia bem onde era e ela dizia que era na Rússia. Hoje sei muito bem que a Lituânia é, de novo, um país soberano, depois da dissolução da União Soviética, mas, naqueles idos de 1960, a Lituânia era apenas um lugar nebuloso na minha Geografia pitoca, que, de certo, só existia nas histórias da minha avó.
Ela se lembrava muito bem de como as coisas eram lá, e aquilo era muito mais empolgante do que qualquer livro com histórias de fadas, ainda mais contado por ela, a comer pepino com casca com as suas gengivas vazias.
Do que ela se lembrava? Do inverno, com certeza a coisa mais marcante que guardara da sua primeira pátria. No inverno, andava-se de trenó por cima de muito gelo e, se se jogasse para cima um punhado de água com a mão, a água caía transformada em pedrinhas de gelo. Eu a ouvia contar totalmente fascinada; daria qualquer coisa para conhecer um lugar assim, onde eu poderia produzir o meu próprio granizo o inverno inteiro, e não ter de esperar pelos raros granizos que já vira na minha terra de Blumenau.
Nem tudo tinha sido fascinação nos invernos de gente pobre da Lituânia no final do século passado, claro que não. A família da minha avó morava em casa exígua, que tinha como peça e/ou objeto principal o que ela chama de forno. Considerando que ela nunca aprendeu corretamente o português, eu creio que com “forno”, ela queria dizer lareira. Era em torno desse “forno” que a vida da família decorria no inverno. Dormia-se em torno dele; degelavam-se diante dele os repolhos e as batatas das parcas refeições, repolhos e batatas contados e recontados, para que durassem até o final do inverno, sempre mais escassos conforme a estação se adiantava.
E no forno, pensam que havia farta lenha para as chamas crepitantes? Nada disso, a lenha era racionada, o governo lituano só permitia que cada família cortasse pequeno trecho da floresta por ano, insuficiente para o calor na época das grandes neves. Era mister secar todo o esterco do gado e armazená-lo, para queimar quando a lenha acabasse.
O mais incrível de tudo o que a minha avó contava, porém, era sobre as visitas. Se se fizesse ou recebesse visita, ficava implícito que os visitantes trariam sua própria comida, já que o anfitrião não tinha o que oferecer à uma boca a mais. Seria isto possível, em algum lugar no mundo? Esse fato ficava além da minha imaginação de menina criada em terra de fartura, e para exorcizá-lo, eu ia correndo buscar grossa fatias de pão de casa com manteiga e mussi de banana, o quitute preferido da minha infância. Enquanto eu mastigava o meu pão com mussi, minha avó, placidamente continuava mascando suas finas fatias de pepino novo, a olhar, lá atrás dos morros, o Sol que se escondia.
Minha avó não tinha dentes. Mas como ela sabia contar histórias!


Blumenau, 08 de Abril de 1996.

Urda Alice Klueger

vendredi 27 juillet 2012

X CONCURSO NACIONAL DE POESIA


                    X Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2012

Inscrições de 10 DE JULHO A 20 DE AGOSTO de 2012
(Preferencialmente pela INTERNET ou pelos Correios)


   A PoeArt Editora (AGORA TENDO COMO PARCERA A HÍMPETO EDITORA DE SP) institui o X Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2012 (depois do sucesso dos   primeiros, que resultaram nas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço, do volume I ao volume XI e das Coletâneas Século XXI, volumes I, II e III ), para premiar autores de ambos os sexos, maiores de dezoito anos, amadores ou profissionais, somente residentes no país, na categoria: Poesia, em língua portuguesa, tendo como objetivo principal a descoberta de novos autores e o intercâmbio cultural entre os participantes.
  
   Ao efetuar a sua inscrição, o autor estará concordando com as regras do Concurso, e, se selecionado, autorizando a publicação dos trabalhos no livro Vozes de Aço – XII Antologia Poética de Diversos Autores – 2012. Em caso de cópia indevida e demais crimes previstos na Lei do Direito Autoral, será responsabilizado judicialmente.

Tema e Apresentação:
- O tema é livre.
- Cada autor poderá inscrever de três a seis poesias (versos livres ou poema com forma fixa), cada uma em uma página, inéditas ou não, máximo de até 30 versos cada – as que se excederem serão desclassificadas -, fonte Times New Roman, corpo 12, digitadas somente em um dos lados da folha, onde deverá constar o título de cada poesia. Não é necessário pseudônimo. Se for enviar pelos correios:
- Uma via de cada trabalho, no mesmo envelope, mais um CD com as poesias gravadas e uma foto de perfil recente em alta resolução.
- Em anexo um envelope menor, lacrado, sem qualquer identificação do lado de fora, contendo:
- Nome completo, nº do RG, nome do concurso, títulos dos trabalhos, endereço completo, dados biográficos
(no máximo dez linhas), telefone e e-mail.

- As obras que chegarem sem esses dados não serão consideradas inscritas.
- Todos os trabalhos enviados (selecionados ou não) serão incinerados, após a divulgação do resultado.

Forma de Inscrição:

  As obras deverão ser enviadas (preferencialmente pela INTERNET para: poearteditora@gmail.com) ou pelos correios, juntamente com o comprovante original do depósito, para: PoeArt Editora: Caixa Postal: 83967 – Cep: 27255-970 – Volta Redonda – RJ.

Premiação:

   Os cinco melhores poemas de cada um dos concursos serão publicados sem qualquer ônus no livro Vozes de Aço – XII Antologia Poética de Diversos Autores – 2012, e cada um dos cinco autores de cada concurso premiados receberão 3 exemplares da obra pelos direitos autorais, diploma e sua foto no livro.

  A partir do 6º trabalho selecionado, os autores serão convidados a participar do livro pelo sistema de cooperativismo.

APOIADORES CULTURAIS: Grêmio Barramansense de Letras, Academias de História e Letras de BM, TEATRO GACEMSS, A imprensa principalmente a escrita, Vitor Contabilidade, Gráfica Drumond, Deputado Federal Zoinho, Colégio Garra Vestibulares, Câmara Municipal de Volta Redonda, DENTRE OUTROS...

Jean Carlos Gomes / Organizador e Editor Contatos: 24 - 9993-0615 | 30750926 /33457252
 SOMENTE à Noite

E-mail: poearteditora@gmail.com http://poearteditora.blogspot.com

MUITO ALÉM

Por Roberto Armorizzi



Há uma eternidade,
parado, aqui estou,
esperando que passes ...

Mas teu passar, que não vem,
causa-me impasses,
pois penso que volves,
mas volta, não tem,

e fico assim, na verdade,
parado no tempo,
olhando ninguém,
dizendo a mim mesmo:
- meu amor, vem!

Mas qual o quê ...

Eu sei que agora,
estás, do aqui, muito além.


Nota do autor.
“Mas um dia tudo voltará a ser como antes.”




Programa Debates Culturais de sábado, dia 28 de julho de 2012


Aviso aos meus amigos que sábado, dia 28 de julho, o programa Debates Culturais especial de aniversário, pois ainda estaremos comemorando os 13 anos de existência, terá, além de mim, Alessandro Lyra Braga, as presenças da filóloga, tradutora e professora universitária de Língua PortuguesaMaria Antônia da Costa Lobo; do terapeuta naturista e diretor do Sindicato dos Terapeutas do Rio de JaneiroPaulo Botelho; do chefe da assessoria de relações acadêmicas do Conselho Regional de Administração – RJClóvis Moreira Pereira; e, do advogado e pesquisador em flora medicinal, Paulo Lima.

Falaremos sobre a qualidade de vida e a saúde dos indivíduos, nos aspectos físicomental e espiritual. Conversaremos sobre o método de palavras e coisas em Filologia e a dinâmica dos idiomas.

O programa Debates Culturais é transmitido pela Rádio Boas Novas AM 1320 do Rio de Janeiro, todos os sábados, a partir das 14:00hs. O programa também poderá ser ouvido ao vivo pela internet, acessando o site da emissora, http://www.radioboasnovas.com.br/. Quem não puder ouvir nosso programa ao vivo, poderá ouvi-lo na íntegra, quando desejar, em nossa revista eletrônica http://www.debatesculturais.com.br, acessando, na barra azul de botões, a seção “Áudio dos Programas”

O programa Debates Culturais conta com o patrocínio do Banco Bradesco.

Acompanhem nosso Twitterhttp://twitter.com/debatescult!

A todos os meus amigos, um bom final de semana e espero que gostem do programa e dos artigos da revista!

jeudi 26 juillet 2012

PREFÁCIO POÉTICO

Por Roberto Armorizzi


De um prelúdio
pré-fácil,
faço, pois, ex officio,
breve prefácio
ao lúcido tema
deste mero poema,
e, antes do sim ou do não,
fabriquei um dilema,
que, ao surgir, virou lema,
qual seja:

“deixar a poesia rolar fácil,
ab initio”,

isto é novo,
ab ovo,

que suplício,
é como um vício,
pode “dar hospício”,
ou um pós-fácil
posfácio,
e vai tudo par’o “espacio”...

Perdão, errei...

“E vai tudo par’o espaço!
 
https://www.clubedeautores.com.br/book/120710--Meu_Anjo_Lilas



Lançamento O Fio de Ariadne


Livro de Daniel C. B. Ciarlini - Lançamento


Convite para lançamento da REBRA


mercredi 25 juillet 2012

PARABÉNS ESCRITOR!

Não importa o seu gênero literário, você que escreve hoje está de parabéns!




Hoje é o dia do escritor!



O 25 de julho foi definido como dia nacional do escritor por decreto governamental, em 1960, após o sucesso do I Festival do Escritor Brasileiro, organizado naquele ano pela União Brasileira de Escritores, por iniciativa de seu presidente, João Peregrino Júnior, e de seu vice-presidente, Jorge Amado.

PARABÉNS ESCRITORES!

Parabéns a todos aqueles que há quase três anos vêm participando do Varal do Brasil!


Convite


O SER- SELO EDITORIAL REBRA CONVIDA 2


O SER- SELO EDITORIAL REBRA CONVIDA


mardi 24 juillet 2012

Convite para lançamento de livro


Mídia, Cinema e Violência


A nossa sociedade moderna  é pautada demasiadamente em propaganda, a mídia dominou o ambiente áudio visual, virtual e todos os demais veículos.
Através desse excelente meio, podemos alavancar a carreira de alguém, mais ainda se for a destruição moral de uma pessoa, pois o que é ruim num instante se alastra.
A um tempo atrás,  aqui no Brasil, no filme Matrix,  um  estudante de medicina entrou no cinema para matar as pessoas, armado de metralhadora; nos Estados Unidos, aconteceu recentemente na estreia do novo  filme de Batman, onde todos gritaram desesperados, esperando apenas que o  mocinho do filme saísse de dentro da película para salvá-los, ou pelo menos que a compaixão divina esteja apontada para aquela sala de sofrimento.
Muitos culpam o tipo de filme, outros encaminham o acontecimento como carma espiritual.
Todos nós sabemos que a nossa sociedade tem se modificado através do tempo, a população aumentando nos grandes centros, nos dá a impressão de fim de mundo com tanta violência.
A mídia trabalha como   um pêndulo apontando para o bom e do mau caráter, contudo o que pensar sobre  uma greve de professores que   possa passar mais de cem dias e a imprensa não comenta diariamente  cujo governo finge não acontecer nada?
Em contrapartida, quando aquele time de massa perde, o horror se estampa no rosto da torcida, pois podemos ficar cem dias sem educação, mas se o time do humilde ficar três partidas sem vencer, o mundo acaba. A imprensa vai diariamente às ruas para cobrir esse fato, até comediantes são contratados para isso.
O maior exemplo disso foi quando uma passeata como a que aconteceu na Avenida Sete de Setembro, há alguns anos,  quando um “timeco” tricolorido estava na terceira divisão, gerou  muito mais polêmica do que uma passeata de professores exigindo os seus direitos, cerceados pelo Estado, nesse mesmo palco de protestos.
O nosso país é desigual, a imprensa também é diferente, tem de todas as cores, algumas honestas e outras podres, ela tornou-se o quarto poder, onde um apresentador dramático, como aquele que finge chorar no seu programa, pode perfeitamente manipular telespectadores, que não têm poder de discernimento por não ter educação de qualidade, que agora praticamente inexiste e todas essas dificuldades podem perfeitamente criar mais um maníaco como esses que atiram em cinema, que graças a Deus, são poucos, mas não deviam existir propagadores de violência, entretanto  o pior é que a nossa mídia passou a ser uma hipnotizadora de opiniões, de consumismo e de formação de caráter, tornando-se a verdadeira norteadora da comunidade onde “Tudo é Possível” basta ligar o canal e esquecer que o mundo existe e no outro dia e repetir tudo como se o mundo fosse acabar se a gente começasse a pensar...



Marcelo de Oliveira Souza

Filiado à UBE –  ACLAC – CAPPAZ – Poetas Del Mundo
Site: http://marceloescritor.blig.ig.com.br

lundi 23 juillet 2012

UMA ESCALADA E TANTO


Engraçado como as coisas acontecem de um modo aleatório sem que para isso tenhamos aplicado qualquer esforço intencional. Veja bem: aqui em Porto Alegre, meu amigo Glênio Reis, notável comunicador da Rádio Gaucha, chamava-me atenção sobre um grande “tangueiro” nacional que vinha assombrando “los porteños” com seus comentários na revista eletrônica PPP, da Argentina, na qual esbanjava conhecimentos incomuns a ponto de ser confundido com algum articulista de renome naquele país.
Era Agilmar Machado, honorável “lagunense” que tinha descoberto através do portal “Caros Ouvintes”, de Florianópolis, a quem passava a destinar vários comentários sobre os artigos que ali postava. Entrementes, eu era convidado pelo diretor Antunes Severo a colaborar naquele site, recebendo a retribuição do Agilmar. Consequência dessa nossa troca de “farpas”, resolvia postar uma matéria em meu blog sobre a homenagem que ele recebia da escola de samba da qual era um dos fundadores. E eis que me surgia a surpresa...
Era Jacqueline Aisenman comentando aquela postagem, logo seguida de apresentações de Agilmar sobre a ilustre lagunense radicada em Genebra (Suíça), a quem havia dedicado um texto de saudação e acolhida pela honrosa deferência. http://poetadasaguasdoces.blogpot.com.br/2008/02/navegando-pela-rota-de-porto-alegre.html.                                                          
Passava então a interagir com seu portal “Coracional” com minhas apreciações do material ali exposto. Um belo dia, sem querer, descobria a primeira foto colocada em seguidores do nosso “Poeta das Águas Doces” como Coracional. Então Jacqueline lançava “Varal do Brasil”.
Uma quadrinha comentando acerca de tela “natureza morta” e ela me respondia “vem pro Varal, vem poeta”. Daí sucedia-se algumas colaborações minhas para a Revista Varal do Brasil, coroadas com a publicação de dois textos no livro “Varal Antológico”, dos quais o segundo me havia solicitado para completar a cota de páginas de cada autor. Enviava-lhe então “O Velho ‘Chateau’ daqueles Rapazes de Antigamente” que ela logo remetia para revisão e depois me repassava o retorno com a nota “adorei esse texto”.
Era Maria Clarice Sampaio Villac, cujo endereço eletrônico descobria através de rastreamento na Internet a fim de agradecer a gentileza do seu comentário, enviando-lhe após os meus livros “Lá pelas tantas” e “Para não dizerem que passei em brancas nuvens”. Professora de Português na Escola Municipal de Ensino Básico Horácio Salles da Cunha (Valinhos-SP), de notável atuação nas áreas pedagógica e ambiental, assim podia constatar através de “Cantinho Literário” e “Ponto de Luz”, interessantes portais informáticos que editava com sucesso. Sem me dar conta do inesperado que me aguardava 
E assim fazia questão de conhecer pessoalmente aquela gente amiga da EMEB Horácio Salles da Cunha, como o coordenador pedagógico Wilson Vicente, a professora de Artes Leila Rangel, o diretor da Escola Prof. Frederico Rodrigues Póvoa Leal, a secretaria Vanessa de Cássia Palmeira e demais mestres, funcionários e alunos, os quais me dispensavam uma fidalga acolhida na visita àquela Escola, coroando todo essa escalada de valiosas amizades que me permitiam alcançar aonde eu jamais imaginava conseguisse atingir.

  
EM TEMPO: Nessa jornada memorável, ainda conhecia, ao vivo e a cores, figuras carismáticas como o radialista Edemar Annuseck por meio de “Caros Ouvintes”, http://poetadasaguasdoces.blogspot.com.br/2009/04/e-deixamos-de-ser-amigos-virtuais.html
E, no lançamento da coletânea “Varal Antológico” em Florianópolis os escritores Maria de Fátima Barreto Michels
E Raimundo Cândido Teixeira Filho,


Convite Contos de Esperança


Jorge Amado é homenageado em livro na 22ª Bienal de São Paulo


Jornalista lança antologia com artigos, redações e crônicas em homenagem ao centenário de Jorge Amado




O livro “Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus – Homenagem ao Centenário de nascimento de Jorge Amado (1912-2012)” será lançado no estande da PerSe Editora, em 10 de agosto, das 19 às 22 horas, mesmo dia do nascimento do grande Jorge. A obra é resultado de um concurso internacional patrocinado pelo jornalista jequieense Valdeck Almeida de Jesus e traz artigos, crônicas, redações e poemas de 64 escritores de várias partes do mundo. São eles: Abraão Leite Sampaio, Adriana Quezado, Agostinha Monteiro, Alice Gödke, Amanda Löwenhaupt, Ana Claudia de Souza de Oliveira, Ana Rosa de Oliveira, André Kondo, Beatriz Moraes Ferreira, Betty Silberstein, Bruno Monteiro Flores, Carlos Souza, Clarissa Damasceno Melo, Crispim Santos Quirino, Danilo Souza Pelloso, Denílson da Silva Araújo, Dhiogo José Caetano, Diogo Cantante, Diogo Rocha Braga, Domingos Alberto Richieri Nuvolari, Ed Carlos Alves de Santana, Edweine Loureiro, Elson Carvalho Alves, Eulália Cristina Costa e Costa, Gil Nascimento, Gustavo Zevallos, Isadora Sabar, Janio Felix Filho, Josafá de Orós, Júlio César Freid’Sil, Karline da Costa Batista, Léa Costa Santana Dias, Lénia Aguiar, Lina Macieira, Lucas Expedito Claro Prado, Lúcia Amélia Brüllhardt, Marcelo Canto, Márcio Santos Sales, Maria da Conceição Braga de Castro, Maria das Graças Evangelista Santos, Maria Fernanda Reis Esteves, Maria José de Oliveira Santos, Maria Letra, Maria Luiza Falcão, Marilene Maria de Oliveira, Marilene Oliveira de Andrade, Marina Fernanda Veiga dos Santos de Farias, Neva Scarazzati de Oliveira, Nubia Estela, Olmira Daniela Schaun da Cunha, Paula Alves, Quitilane Pinheiro dos Santos, Renata Leone, Renata Rimet, Roberto Augusto de Piratininga Ferrari, Roseli Princhatti Arruda Nuzzi, Silas Correa Leite, Silvia Helena Machuca, Silvio Parise, Solange Gomes da Fonseca, Varenka de Fátima Araújo, Vó Fia e Zeca São Bernardo.

Primeiros colocados

“NEM O ÓDIO, NEM A BONDADE”: JORGE AMADO E A LUTA PROLETÁRIA NO ROMANCE CAPITÃES DA AREIA
(Léa Costa Santana Dias)

O Evangelho segundo Jorge Amado
(Sílvia Helena Machuca)

Sem-Pernas: o retrato de muitas crianças baianas
(Marilene Oliveira de Andrade)

A Construção Econômica e Social de Jorge Amado: O País do Carnaval, Cacau e Suor; Capitães da Areia; Os Velhos Marinheiros
(Denílson da Silva Araújo)

Salvador de um Amado Jorge
(Edweine Loureiro)

Vozes do Sertão
(Bruno Monteiro Flores)

Jorge Amado e o cinema
(Quitilane Pinheiro dos Santos)

Jorge “O Bem” Amado
(Ana Claudia de Souza de Oliveira)

Amado foi Jorge, que desenhou suas raízes escrevendo!
(Domingos Alberto Richieri Nuvolari)

Jorge Amado e a União Brasileira de Escritores
(Carlos Souza)


Menções Honrosas

A contribuição de Jorge Amado para a Literatura Brasileira
(Domingos Ailton Ribeiro de Carvalho)

Terra adubada com sangue
(Bruno Monteiro Flores)

As Mulheres de Amado
(Karline da Costa Batista)

Visita à casa de Jorge Amado
(André Kondo)

Primeiro Dia em Salvador
(Marilene Maria de Oliveira)

Jorge Amado é sinônimo de Brasil, de Bahia, de brasilidade. Falar da obra é falar do ser humano criador; falar das personagens é identificar o falar natural das pessoas da rua, da gente que circula e inunda praças e avenidas desse grande país, que é mais interior do que capital. A presença de Jorge está nas esquinas, nos costumes, que o tempo não deixa morrer. O escritor está vivo, sempre, na vasta e diversa obra. E o tempo, senhor da vida, junto com a justiça dos orixás que protegem Jorge Amado, imortalizam a obra desse homem.

CONCURSO LITERÁRIO
O certame acontece desde 2005 e tem o apoio do Núcleo Baiano da União Brasileira de Escritores, que se junta à justa homenagem a Jorge Amado. Totalmente patrocinado pelo escritor Valdeck, o prêmio já publicou treze livros com mais de 1.100 textos diversos de autores do Brasil, Argentina, Espanha, Portugal, Estados Unidos, Moçambique, China, França, Inglaterra, Japão, Suécia e Suíça, num trabalho sobre-humano de difusão da literatura e da língua portuguesa.

VALDECK ALMEIDA DE JESUS (1966) é jornalista, funcionário público, editor, escritor e poeta. Embaixador Universal da Paz, Membro da Academia de Letras do Brasil, Academia de Letras de Jequié, Academia de Cultura da Bahia, Academia de Letras de Teófilo Otoni, Poetas del Mundo, Fala Escritor, Confraria dos Artistas e Poetas pela Paz e da União Brasileira de Escritores. Publicou “Memorial do Inferno: a saga da família Almeida no Jardim do Éden”,Feitiço contra o feiticeiro”, “Valdeck é Prosa e Vanise é Poesia”, “30 Anos de Poesia”, “Heartache Poems”, ”Yes, I am gay. So, what? – Alice in Wonderland”, “O MST e a Mídia: uma análise do discurso sobre o Movimento dos Sem Terra nos jornais A TARDE online e O Globo online” (co-autor: Jobson Santana), dentre outros, e participa de mais de 75 antologias. Organiza e patrocina o Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, desde 2005, o qual já lançou mais de 1000 textos. Colabora com os sites Favas Contadas, Artigonal, Web Artigos, Recanto das Letras, Portal Literal, Portal Villas, Pravda, PodCultura, Overmundo, Comunique-se, Dzaí, Difundir, Jornal do Brasil, Só Artigos e À queima roupa. Tem textos divulgados nas rádios online Sol (Diadema-SP), Raiz Online (Portugal) e CBN (Globo). Site: www.galinhapulando.com

Local do Lançamento
22ª BIENAL INTERNACIONAL DO
LIVRO DE SÃO PAULO 2012

Dia 09 a 19 de Agosto de 2012, das 10 às 22 horas
Parque de Exposições Anhembi
Avenida Olavo Fontoura, 1209
Bairro Santana – São Paulo – SP

vendredi 20 juillet 2012

Programa Debates Culturais de sábado, dia 21 de julho de 2012


Aviso aos meus amigos que sábado, dia 21 de julho, o programa Debates Culturais especial de aniversário, pois ainda estaremos comemorando os 13 anos de existência, terá, além de mim, Alessandro Lyra Braga, as presenças do administrador de empresas e presidente do Conselho Regional de Administração - RJWagner Siqueira; do consultor e dirigente do IBGH - Instituto Brasileiro de Gestão da HospitalidadeArmando Lardosa; e, do presidente da Fundação Ulisses Guimarães - RJAmaury Cardoso.

Falaremos sobre a hospitalidade e a qualidade de atendimento dos serviços brasileiros, conforme análises desenvolvidas pelo Instituto Brasileiro de Gestão da Hospitalidade. Conversaremos também sobre a crise econômica mundial e suas consequências imediatas. Também estaremos lançando o livro Os Princípios da Prosperidade de Henry Ford, que está sendo relançado pelo CRA-RJ em parceria com a Freitas Bastos, tendo sido publicado pela primeira vez no Brasil na década de 40, com tradução e prefácio de Monteiro LobatoOs Princípios da Prosperidade reúne de uma só vez três publicações: Minha vida e minha obraHoje e amanhã e Filosofia de indústria.

O programa Debates Culturais é transmitido pela Rádio Boas Novas AM 1320 do Rio de Janeiro, todos os sábados, a partir das 14:00hs. Quem desejar participar por telefone com perguntas e/ou comentários, pode fazê-lo pelo telefone 2576-8484. O programa também poderá ser ouvido ao vivo pela internet, acessando o site da emissora, http://www.radioboasnovas.com.br/. Quem não puder ouvir nosso programa ao vivo, poderá ouvi-lo na íntegra, quando desejar, em nossa revista eletrônica http://www.debatesculturais.com.br, acessando, na barra azul de botões, a seção “Áudio dos Programas”

  
Acompanhem nosso Twitterhttp://twitter.com/debatescult!

A todos os meus amigos, um bom final de semana e espero que gostem do programa e dos artigos da revista!

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...